Colunas

Eventos extremos e governança climática

Preparar a humanidade para enfrentar eventos extremos implica a capacidade de estruturar a governança e construir estruturas defensivas eficientes. É comum que governos ineficientes justifiquem a inação com meias medidas

14 de setembro de 2023
  • Carlos Bocuhy

    Carlos Bocuhy é presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam)

A cidade de Derna, na Libia, foi arrasada. Milhares perderam a vida pela combinação desastrosa de uma tempestade extratropical e a falta de manutenção adequada de barragens.

Somou-se a isso a falta de capacidade preventiva que deveria ser exercida por instrumentos de defesa civil. Dezenas de milhares de desabrigados sobreviventes dependerão da ajuda humanitária internacional para manter suas vidas e saúde. Trata-se de um caso clássico de desgoverno, alimentado pelos efeitos de uma guerra civil que provocou a cisão do país. A Líbia é caso extremo de fragilidade político-social.

Preparar a humanidade para enfrentar eventos extremos implica a capacidade de estruturar a governança e construir estruturas defensivas eficientes. É comum que governos ineficientes justifiquem a inação com meias medidas. Nesse cenário, acreditando estarem a salvo, milhões de pessoas vivem sobre novas áreas de risco climático acreditando em falsa segurança.

Nada pode ser pior do que a sensação de segurança, que incentiva a inação e inibe iniciativas que poderiam ajudar as comunidades a se defender dos eventos extremos.

A Organização Meteorológica Mundial das Nações Unidas (OMM) tem afirmado que o fortalecimento da resiliência requer ações coletivas por meio da cooperação e parcerias com todos os níveis de governo, academia, empresas e sociedade civil. A prioridade estratégica da OMM é aumentar a preparação para reduzir a perda de vidas, infraestruturas críticas e meios de subsistência causados por extremos hidrometeorológicos.

“É consenso científico que as alterações climáticas estão intensificando as chuvas causadas por ciclones”, afirma a especialista em riscos climáticos da Universidade de Reading, no Reino Unido, a professora Liz Stephens.

Mesmo com riscos conhecidos e boas previsões climáticas, as reações oficiais não são suficientemente rápidas para enfrentar desastres naturais. Em 1º de setembro, 72 horas antes da catástrofe que arrasou o Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul, vitimando dezenas de pessoas e 30 mil animais, o MetSul disparou seu segundo alerta sobre o ciclone subtropical que se aproximava: “Alerta: chuva virá com volumes excepcionais de até 300 mm a 500 mm… o cenário de precipitação para estes primeiros dez dias de setembro não tem precedentes nos últimos anos… a situação foge ao convencional”.

Este fato demonstra que o Brasil tem um longo caminho a percorrer na estruturação de sistemas eficazes de prevenção de riscos climáticos. Em que pese a capacidade técnica estatal instalada, a exemplo do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação, há de se aprimorar as conexões entre previsões e efetiva informação para comunidades afetadas, desde a compreensão dos riscos, sua detecção meteorológica, disseminação de informações de alerta e capacidade de resposta.

Sem o estabelecimento dessas conexões o sistema não garantirá a proteção da população. A Defesa Civil das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, megalópoles com inúmeras áreas de risco, trazem, como primeiras diretrizes, além de cuidados básicos como alertar contra ocupações de encostas e não permitir entupimento de bueiros, o imprescindível acesso das comunidades vulneráveis à informação meteorológica. Há um enorme caminho a trilhar que demandará priorização política, capacitação de agentes públicos e da sociedade, incluindo destinação apropriada de recursos.

Os danos que vêm sendo causados pelas mudanças climáticas apontam para os caminhos da prevenção. A adaptação à mudança do clima deve ser objeto prioritário da humanidade em defesa de suas populações.

A conta do desequilíbrio climático é alta, mesmo para países com estrutura econômica de peso. Os Estados Unidos sofreram, em 2023, nada menos do que 23 desastres climáticos, todos com perdas acima de 1 bilhão de dólares, entre eventos climáticos extremos, inundações e incêndios. O prejuízo total chegou a 57,6 bilhões de dólares.

O que chama a atenção com relação a estes impactos é a capacidade da defesa civil norte-americana retratada no pequeno número de vidas perdidas quando a situação é comparada aos mesmos eventos ocorridos em países pobres. Mesmo com intensa destruição, o número de vítimas nos Estados Unidos está estimado em 253, aproximadamente 4% do total das vítimas de registradas inicialmente no episódio de Derna, na Líbia.

A conclusão é óbvia. A estruturação da defesa civil nos países em desenvolvimento é fundamental para enfrentar as mudanças climáticas. Os países ricos e com maior emissão de Gases Efeito Estufa, responsáveis pelo aquecimento global, estão infinitamente mais estruturados para defender suas populações dos eventos extremos.

Isso nos remete diretamente à lógica da justiça climática e à reparação de danos ambientais, que foi inicialmente acordada na COP 27 do Egito, e que retornará à pauta da COP 28, que ocorrerá em novembro, em Dubai.

As opiniões e informações publicadas nas seções de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site betano. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Notícias
6 de setembro de 2023

Desastres climáticos mais frequentes e mortíferos: o que o RS ensina para o país

Gestores públicos e população precisam desenvolver cultura de prevenção, assim como acontece na costa leste do EUA, diz especialista

Reportagens
23 de dezembro de 2022

Quanto mais quente, pior: Eventos climáticos extremos se agravam em 2022

Planeta deu lembretes diários das consequências do aumento na temperatura global. Apesar dos avanços no enfrentamento às mudanças climáticas, emissões continuam subindo

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários3

  1. Hugo Penteadodiz:

    Excelente artigo Carlos. Por que a prevenção não faz sentido no nosso modelo econômico? Porque a destruição embora desfaça alguns elos econômicos, cria novos através das reconstruções. E o valor da vida humana e da natureza é zero na teoria econômica tradicional. A prevenção reduz o PIB. A reconstrução após o desastre aumenta o PIB. PIB é um fluxo, destruir os estoques através de guerras e desastres não possui grande impacto econômico. Eu me lembro de ter desfeito as expectativas negativas sobre a Ásia depois do Tsunami que matou 230 mil em 2004. O atual modelo prega crescimento infinito num planeta finito porque na teoria econômica se acredita que a natureza é inesgotável, que os processos econômicos são neutros para a natureza e que o capital produzido (máquinas e ferramentas) são um perfeito substituto da natureza. Ou seja, acreditam que não há limites ecológicos para a expansão exponencial e contínua da economia. Estamos contratando um colapso iminente e fim da vida na Terra com essa pseudociência.


  2. GASPARdiz:

    Como se diz! O óbvio precusa ser dito. Mas, a tal da prevenção , mais a tal da manutenção, suida da ma governança. Não se pode esperar outro resultado! A vuda humana é que menos importa! Everybody sacou?


    1. GASPARdiz: