Notícias

A voz – e a força – das mulheres indígenas no combate e prevenção de incêndios

Encontro inédito reuniu cerca de 50 mulheres brigadistas de quatro povos indígenas para trocar experiências e discutir ações de manejo integrado do fogo

Duda Menegassi·
24 de novembro de 2023

Mulheres indígenas que atuam em brigadas voluntárias de quatro povos diferentes da Amazônia Legal uniram-se para trocar experiências no combate e prevenção de incêndios e compartilhar conhecimentos sobre o uso cultural e tradicional do fogo em suas terras. O evento ocorreu na Terra Indígena Krikati, no Maranhão, entre os dias 7 e 9 de novembro e reuniu cerca de 50 mulheres brigadistas florestais dos povos indígenas: Apinajé, Gavião, Krikati e Xerente. A proposta do encontro, realizado pela primeira vez, foi fortalecer o papel das mulheres nas brigadas e compartilhar iniciativas de educação ambiental e manejo integrado do fogo.

O 1º Encontro de Mulheres Indígenas Brigadistas Florestais foi promovido pelos Grupos de Mulheres Indígenas Brigadistas Apinajé, Awkê/Xerente, Gavião e Krikati, Articulação das Mulheres Indígenas do Maranhão (AMIMA), Coordenação das Organizações e Articulações dos Povos Indígenas do Maranhão (COAPIMA), Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama), Serviço Florestal dos Estados Unidos (USFS), com apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e parceria do Fundo Casa Socioambiental.

O evento reforçou a importância da união das mulheres das brigadas voluntárias, ainda que distantes geograficamente, de inspirar e fortalecer umas às outras. “Eu via as Xerente na internet contando sobre a brigada delas. Isso nos inspirou. Eu era coordenadora da AMIMA [Associação das Mulheres Indígenas do Maranhão] e abracei a causa. Esse encontro de mulheres é um avanço nesta luta para somar aos homens, trabalharmos de igual para igual. Estamos trabalhando cada vez mais para fortalecer a luta das mulheres indígenas”, relata a vice-coordenadora da Coordenação das Organizações e Articulações dos Povos Indígenas do Maranhão (COAPIMA), Maria Helena Gavião.

O encontro ajuda a reforçar o papel das mulheres na implementação do manejo integrado do fogo, como estratégia de prevenção aos incêndios. “Muitas mulheres tiveram que enfrentar os maridos, por eles não entenderem muitas vezes que é importante ir mostrar o trabalho e conversar com outras mulheres”, continua a vice-coordenadora da COAPIMA. 

De acordo com ela, a proposta é tornar o encontro anual e expandi-lo para agregar outros povos indígenas e grupos de mulheres comunitárias tradicionais, como quilombolas e extrativistas. Durante o evento, as brigadas de cada um dos quatro povos também planejaram as ações para 2024, que incluem propostas de capacitação, construção de viveiros e a criação de material didático na língua de cada povo.

O 1º Encontro de Mulheres Indígenas Brigadistas Florestais foi realizado na Terra Indígena Krikati, no Maranhão e contou com a participação do Prevfogo/Ibama e da FUNAI. Foto: Pepyaka Krikati/COIAB/ COAPIMA

​​“As mulheres têm um trabalho de prevenção e de educação ambiental. Quando vamos às escolas falar para as crianças sobre nossa rotina e como devemos cuidar do meio ambiente elas ficam motivadas. Ao contar as histórias, já ouvi de algumas que elas querem ser como nós quando crescerem. Isso é emocionante”, explica a brigadista indígena Ana Shelley Xerente, hoje contratada pelo Prevfogo/Ibama.

Segundo informações do Ibama, as brigadas do PrevFogo contam com 94 mulheres, sendo 32 indígenas – o equivalente a cerca de um terço da força feminina na organização. E um bom caminho para aumentar essa participação é justamente a partir das brigadas voluntárias.

“Eu quero lutar pelo meu povo, pelos povos indígenas do Brasil. Nós mulheres brigadistas voluntárias nos sentimos fortes, inspiradas, com um olhar amplo, para garantir o futuro das outras gerações também. É um orgulho para nós estarmos ocupando um lugar onde queremos estar”, destaca Rose Krikati, a mais jovem da brigada, com apenas 18 anos, que desde os 14 já se envolve nas discussões sobre prevenção e combate aos incêndios.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Salada Verde
16 de novembro de 2023

Evento sobre Manejo Integrado do Fogo reúne voluntários das cinco regiões do Brasil

Workshop teve como objetivo a discussão e estruturação de estratégias para o futuro do voluntariado no Manejo Integrado do Fogo. Evento ocorreu em Brasília no início de novembro

Reportagens
18 de setembro de 2023

Tradição quilombola que preserva: a conservação do Cerrado pelos Kalunga

Com manutenção do modo de vida tradicional, brigada própria e manejo do fogo, território quilombola conserva 83% de cobertura de vegetação nativa do Cerrado

Notícias
11 de julho de 2023

MMA articula com Congresso aprovação de Política Nacional de Manejo do Fogo

Em tramitação há cinco anos, proposta visa regulamentar prática já comprovada de controle de incêndios em áreas naturais. El Ninõ deve aumentar número de queimadas no país

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.