Notícias

Conama está de volta, mas ainda sem paridade

Decreto de Lula ressuscita principal colegiado ambiental do Brasil, que terá 114 membros e ampliação da participação social, mas segue dominado pelo governo

Roberto Kaz·
17 de fevereiro de 2023·1 anos atrás

O Conama está de volta. Um decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, publicado hoje no Diário Oficial da União, faz com que o Conselho Nacional do Meio Ambiente volte a exercer suas funções. A decisão dá nova vida ao colegiado formado por integrantes do poder público e da sociedade civil, responsável por elaborar as políticas públicas a serem implementadas pelo Ministério do Meio Ambiente. O Conama funcionava – ou não funcionava – de forma inconstitucional desde maio de 2019, quando foi desmantelado por um decreto presidencial de Jair Bolsonaro.

Bolsonaro e seu antiministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nunca esconderam que a destruição ambiental era um projeto de governo. A Blitzkrieg ambiental implementada pelos dois e por Joaquim Leite, sucessor de Salles, envolveu pautas-bomba no Congresso (com o apoio de Arthur Lira), afrouxamento de regras no Executivo, a paralisação do Fundo Amazônia e o desmonte de autarquias como o ICMBio e o Ibama. Um dos primeiros atos dessa guerra contra o meio ambiente foi justamente com a publicação do decreto 9.806 de 2019, que atingia  Conama, principal instância colegiada da governança ambiental brasileira e do controle social sobre as políticas de meio ambiente.

Em resumo: a decisão publicada hoje no DOU, que ressuscita o conselho, tem efeito prático, mas também simbólico: representa a volta da sociedade civil ao debate da política ambiental.

O novo Conama terá 114 membros, contra 96 de sua composição pré-desmonte. Isso reflete o aumento no número de ministérios no governo Lula, já que cada pasta da Esplanada tem um representante. A recomposição mantém o governo como maioria no colegiado, descumprindo a recomendação do grupo de transição do governo de fazer uma reconstituição paritária. Na liminar de dezembro de 2021 que sustava o desmonte do Conama (leia mais abaixo), a  ministra do STF Rosa Weber também havia alertado contra a “assimetria democrática” – para que o governo não dominasse o colegiado.

O Ministério do Meio Ambiente e da Mudança do Clima afirmou que fez a opção inicial por devolver o Conama ao que era neste primeiro momento e que instalará uma Câmara Técnica Provisória para discutir a ampliação da participação da sociedade. Também foi criada pelo novo decreto uma Câmara Técnica de Justiça Climática, que havia sido sugerida pela equipe de transição. Por ora, a sociedade civil terá 22 representantes. É uma vitória, dado que chegou a contar com apenas quatro integrantes nos anos Bolsonaro. Mas 22 representantes num conselho formado por 114 pessoas caracteriza uma bela vitória? Será que a sociedade civil está devidamente contemplada?

O Conama foi criado em 1981, por uma lei federal sancionada pelo general João Figueiredo, ainda na ditadura militar. A regulamentação, que de fato tornou-o efetivo, veio nove anos depois, através de um decreto presidencial assinado por Fernando Collor. O conselho é uma espécie de faz-tudo da política ambiental: tem poder consultivo, assessorando o governo com propostas de diretrizes ambientais, mas também deliberativo, publicando resoluções que tratam de proteção ao meio ambiente. Trocando em miúdos, o Conama estipula as políticas ambientais a serem executadas pelo ICMBio e pelo Ibama.

Até a chegada de Bolsonaro ao poder, o Conama contava com 96 integrantes de origens distintas (ministérios, governos estaduais, prefeituras, setores empresariais e entidades ambientais). A presidência do Conselho ficava a cargo do ministro ou ministra do Meio Ambiente.

O decreto de Bolsonaro reduziu o número de conselheiros com direito a voto para 23 integrantes – sendo quatro da sociedade civil. Estes passaram a ser escolhidos por sorteio, o que ficou conhecido como o infame “bingão do Conama”. A justificativa era a clássica “desburocratização”, mas a intenção era óbvia: concentrar todas as decisões da política ambiental nas mãos de Salles e Bolsonaro. De acordo com uma nota técnico-jurídica publicada em janeiro deste ano pelo Observatório do Clima e mais cinco entidades do terceiro setor, o percentual de voto do poder federal passou de 29,7% para 43,5%. Um golpe acionário.

Com o Conama nas mãos, Ricardo Salles viu o caminho livre para passar com sua boiada. Em setembro de 2020, o conselho se reuniu – já então na versão pocket – e derrubou três resoluções que protegiam manguezais e restingas contra a especulação imobiliária. Ou seja, “desburocratizar” era a senha para estender o tapete vermelho para as indústrias do turismo e da construção civil, que a partir de então poderiam erguer resorts sobre dunas e Áreas de Preservação Permanente.

Como era de esperar, o caso foi judicializado. Primeiro pela então Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, que já em 2019 propôs uma ADPF – Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental – contra o decreto inicial de Bolsonaro contra o Conama. Depois, por três partidos – PT, PSB e Rede Sustentabilidade – que pediam a suspensão da resolução que colocava em risco restingas e manguezais.

O desmonte infralegal acabou sendo paralisado por duas decisões liminares concedidas pela ministra Rosa Weber, do Supremo. A primeira em outubro de 2020, em que acolhia o argumento dos três partidos, suspendendo a resolução contrária às restingas e manguezais (o caso seria levado mais tarde ao pleno, onde todos os ministros votariam pela inconstitucionalidade). E a segunda em dezembro de 2021, essa mais abrangente, acolhendo o argumento da PGR que apontava a inconstitucionalidade do decreto assinado em 2019 por Bolsonaro (a decisão liminar se fez necessária depois que o ministro Kássio Nunes Marques pediu vistas do processo, quando já havia quatro votos contrários ao decreto).

Desde então, o funcionamento do Conama foi suspenso, e assim permaneceu, até a publicação do decreto assinado por Lula, que restabelece o colegiado. Num cenário de pós-guerra, em que a política ambiental foi aviltada diariamente, por quatro anos, é crucial restabelecer a normalidade. Mas normalidade não significa paridade. Ainda há um longo caminho na busca de uma política pública realmente participativa.

  • Roberto Kaz

    É jornalista. Autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras.

Leia também

Notícias
10 de março de 2021

Nunes Marques pede vista e julgamento sobre o Conama é suspenso no STF

O ministro pediu vista do processo nesta quarta e com isso o julgamento sobre a inconstitucionalidade das mudanças no Conama, que já tinha quatro votos favoráveis, foi suspenso

Notícias
20 de fevereiro de 2024

Novos dados confirmam que destinação do lixo piorou sob Bolsonaro

Gestão recebeu 24,4% de resíduos despejados inadequadamente e entregou percentual de 26,2%; estabelecimentos inadequados saltaram de 72,2% para 77,6% do total

Reportagens
20 de fevereiro de 2024

MP entra na Justiça após três bugios morrerem eletrocutados na Região Metropolitana de Porto Alegre

Em apenas nove dias, três bugios morreram em contato com a rede elétrica. Dezoito estão sob cuidados médicos por tempo indeterminado. MPRS pede custeio do tratamento

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.