Notícias

Desastres climáticos mais frequentes e mortíferos: o que o RS ensina para o país

Gestores públicos e população precisam desenvolver cultura de prevenção, assim como acontece na costa leste do EUA, diz especialista

Cristiane Prizibisczki·
6 de setembro de 2023

Menos de três meses após o último evento climático extremo registrado no Rio Grande do Sul, o estado volta a ser castigado por um ciclone que, até a tarde desta quarta-feira (6), já havia deixado 32 mortos e centenas de desabrigados. As imagens da elevação das águas no Rio das Antas, que subiram mais de 20 metros – o equivalente a um prédio de sete andares – causaram espanto, mas o que também chama atenção no fenômeno é a frequência, diz especialista.

Em meados de junho, a passagem de um ciclone extratropical já havia causado 16 mortes e destruído dezenas de cidades. Na ocasião, o governo do estado classificou o ocorrido como o desastre natural mais grave dos últimos 40 anos

Mas 2023 não está sendo exceção. Em maio de 2022, o Rio Grande do Sul vivenciou a tempestade Yakecan, que registrou ventos de quase 100 km/h e, apesar de não ter causado mortes, provocou destruição.

Em 2020, o estado sofreu com a passagem de um ciclone bomba, que matou uma pessoa. Antes disso, o Rio Grande do Sul havia sofrido com uma intensa tempestade em janeiro de 2019, que causou duas mortes, outra em janeiro de 2016, quando ventos atingiram aproximadamente 120 km/h, e com o furacão Catarina, de 2004, que deixou centenas de feridos e provocou prejuízos milionários.

Isto é, os eventos extremos estão se tornando não só mais frequentes, mas também mais mortais. Números do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, do Ministério da Integração, mostram que, entre 2017 e 2021, tais eventos causaram 14 mortes. Somente em 2023 já foram contabilizados ao menos 47 óbitos.

“A repetição [de eventos extremos] tem acontecido muito rapidamente. Não é um evento que você olha e fala: não acontecia há 50, 100 anos, não! Está acontecendo de maneira repetitiva, com uma frequência muito grande, o que é um prenúncio da tendência ao agravamento”, explicou a betano o professor do Instituto de Energia e Meio Ambiente da Universidade de São Paulo, Pedro Côrtes.

Segundo ele, o fenômeno do El Ninõ, que tende a provocar chuvas no sul e seca no norte do país, tem influência na ocorrência do ciclone que atinge o Rio Grande do Sul nos últimos dias, mas a intensidade verificada é fruto das mudanças no clima da terra.

“Essa chuva tem uma relação com o El Nino, mas a intensidade dela está relacionada às mudanças climáticas, aquilo que o IPCC [Painel científico da ONU para mudanças climáticas] alertava. Isto é, os fenômenos do El Niño e La Niña estão seguindo uma regularidade, mas os efeitos têm sido mais intensos do que a gente verificava há algumas décadas, até o início deste século, por exemplo”, diz.

Brasil na rota de desastres climáticos

Segundo Pedro Cortez, além de mudanças estruturais nas regiões mais propensas a eventos extremos, como melhorias no sistema de drenagem, por exemplo, um fator essencial que precisa mudar para minimizar os danos é a adoção do hábito da prevenção.

“A gente precisa não só de obras para tentar minimizar ou reduzir os efeitos dos eventos extremos, mas também desenvolver junto aos gestores públicos e à população uma cultura de prevenção. Consultar serviços de meteorologia para saber o que nos espera nas próximas semanas”, sugere Côrtes.

Ainda que seja uma realidade nova para o país, os brasileiros precisam estar alertas e prontos para seguir medidas de evacuação, por exemplo, assim como acontece na costa leste americana, que sofre regularmente com a passagem de tornados.

“Nós não desenvolvemos essa cultura porque não estávamos sujeitos a eventos tão extremos, quanto eles ocorriam, eles eram eventos isolados em termos geográficos ou temporais, diferente do que acontece quase todo ano na costa leste dos EUA, onde existe um sistema de alerta para a população se preparar ou sair de determinadas áreas”, diz.

Segundo ele, considerando o quadro de agravamento dos eventos extremos que têm se verificado em diferentes partes do país, essa mudança de postura precisa ser urgente.

“A gente precisa desenvolver esse senso de prevenção muito rapidamente.  Infelizmente, o que aconteceu no RS é um exemplo de situações que vão se tornar mais frequentes no futuro”, finaliza.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Fotografia
3 de março de 2023

Litoral de SP: as diferentes camadas da tragédia e porque ela pode se repetir

Geologia do litoral, ocupação irregular, mudanças climáticas e, sobretudo, falta de políticas públicas são elementos que contribuíram para a dimensão do desastre

Colunas
4 de setembro de 2023

Relações entre eventos extremos e emergência climática: a imprensa e a resiliência nos municípios

Os eventos extremos são acontecimentos que irrompem a “normalidade” cotidiana e, por isso, despertam o interesse público. Nesse sentido, necessitam de uma cobertura jornalística abrangente e contínua

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.