Notícias

Doação milionária apoia pesquisa sobre árvores nativas com alto valor econômico

Programa de pesquisa e desenvolvimento de árvores nativas aposta na silvicultura como ferramenta para restauração e conservação da natureza

Duda Menegassi·
21 de agosto de 2023

Lançado em 2021, o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento de Silvicultura de Espécies Nativas (PP&D-SEN) recebeu neste mês uma doação de 2,5 milhões de dólares da Bezos Earth Fund – o equivalente, no câmbio atual, a mais de 10 milhões de reais. O PP&D-SEN é o primeiro programa nacional voltado para pesquisa com espécies florestais nativas de alto valor econômico e produtivo. A doação milionária será empregada ao longo dos próximos três anos e ajudará projetos focados em espécies nativas da Mata Atlântica e da Amazônia. A expectativa é que a silvicultura possa ser uma ferramenta em prol da restauração e conservação da natureza.

O programa, com duração inicial de 20 anos, foi lançado pela Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura com o apoio de instituições de pesquisa, empresas, governo, sociedade civil e financiadores. A iniciativa promove inovações e o desenvolvimento tecnológico necessário para o estabelecimento da silvicultura de espécies nativas em escala comparável à dos principais setores agroindustriais brasileiros.

Parte dos recursos será destinada às atividades de pesquisa do Parque Científico Tecnológico do Sul da Bahia (PCTSul), que realiza a coleta de dados e estudos em um campo experimental implantado nas últimas décadas, além da elaboração de mapas de áreas prioritárias para o plantio de espécies nativas, modelos de negócios e propostas de melhoria da gestão e conservação de áreas protegidas. Uma das iniciativas do programa é o desenvolvimento e divulgação de modelos de silvicultura de nativas e restauração produtiva em zonas de amortecimento de unidades de conservação, para diminuir a pressão sobre elas. O treinamento e capacitação de agentes públicos também está previsto.

“O alto valor e a grande demanda nacional e internacional por madeiras nobres permitem que o investimento em reflorestamento gere lucro ao investidor, comunidades e proprietários rurais. Este é um dos melhores exemplos de como o desenvolvimento econômico pode ser alinhado à preservação ambiental”, aponta o colíder da Força-Tarefa Silvicultura de Nativas da Coalizão Brasil e consultor sênior do WRI Brasil, Miguel Calmon.

Atualmente, a silvicultura nacional prioriza espécies como eucalipto, pinus e teca, todas exóticas. Apenas duas nativas, a araucária – plantada em áreas degradadas para o manejo sustentável – e o paricá, figuram com algum destaque na produção de madeira para fins industriais no país. Em 2021, o Brasil faturou 4,6 bilhões de dólares em exportações de madeira, o equivalente a menos de 3% do total comercializado pelo mercado internacional de produtos madeireiros.

O Bezos Earth Fund foi criado por Jeff Bezos, empresário americano e fundador da Amazon, a partir do seu compromisso em apoiar a crise climática e a conservação da natureza com um aporte de 10 bilhões de dólares. 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Reportagens
16 de agosto de 2023

Contra desertificação e crise climática, África aposta na restauração

Ao todo 34 países já se comprometeram com um total de 130 milhões de hectares de terras degradadas e desmatadas a serem restaurados no continente africano até 2030

Salada Verde
23 de junho de 2023

Governo licitará inédita restauração da Mata Atlântica em áreas protegidas na Região Sul

Será beneficiada a biodiversidade nativa das flonas de Irati, no Paraná, e de Chapecó e de Três Barras, em Santa Catarina

Salada Verde
18 de julho de 2023

Edital para projetos de restauração da Mata Atlântica no Rio está com inscrições abertas

Parte do projeto Florestas do Amanhã, da Secretaria de Ambiente e Sustentabilidade do estado, iniciativa tem como objetivo restaurar 600 hectares de vegetação em nove cidades

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários4

  1. Valdivinodiz:

    Enquanto não mudar as leis o dinheiro não resolve. Quem planta tem o direito de cortar, se fosse assim nossas Araucária não teria dado espaço para o Pinus.


  2. Importante a articulação com instituições de pesquisas, o MST, que propunha o plantio de 100 milhões de árvores nativas, as comunidades tradicionais, os movimentos socioambientais… Uma campanha de integração é necessária. Valeu!


    1. Valdivinodiz:

      MST nunca vi eles mostrarem uma plantação nem ao redor da casa cuidam.


  3. Laercio Lico Juniordiz:

    Que boa notícia, tomara que esse dinheiro, transformado em pesquisa, possa ser útil ao meio ambiente brasileiro.