Notícias

Incêndio em lixão de Teresópolis (RJ) dura mais de 30 horas; fumaça persiste e escolas seguem fechadas

Moradores da cidade relatam cheiro ainda mais forte do que ontem. Prefeitura afirma que incêndio e fumaça diminuíram, e que falta pouco para extinguir o incêndio

Gabriel Tussini·
27 de junho de 2023

O lixão do Fischer, em Teresópolis (RJ), segue pegando fogo. O incêndio iniciado ontem já dura mais de 30 horas, embora a prefeitura da cidade tenha anunciado que o fogo estava controlado desde o meio-dia de ontem (26). Os bombeiros chegaram no local às 5:20 desta segunda, e interromperam o trabalho durante a noite por razões de segurança. Moradores da cidade relatam a persistência da nuvem tóxica da queima do lixo, enquanto 14 escolas e 6 creches seguem fechadas.

Uma moradora de Teresópolis que deixou sua casa ainda na manhã de ontem devido à fumaça relatou um cheiro ainda mais forte na cidade, em áudio obtido por betano. “Acabei de falar com uma amiga minha, eu estou aqui no Rio. Eu falei ‘estou exagerada, amiga?’, e ela falou ‘não, fica aí, amiga. Amanheceu com um cheiro muito mais forte. Não sei se o que queimou agora foi pior, amanheceu com um cheiro muito mais forte. Está pior, a cidade está com um cheiro muito ruim em todos os lugares’. Ainda bem que eu não fiquei”, disse.

A prefeitura afirma que o fogo e a coluna de fumaça estão menores do que ontem, embora ainda sigam presentes. Uma retroescavadeira está sendo utilizada para “acessar o local exato do foco do incêndio” e apagá-lo definitivamente – “falta pouco” para concluir esse trabalho, afirma o comunicado oficial. O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro foi procurado por meio de seu plantão de ocorrências para comentar o atual estágio do combate às chamas, mas as ligações não foram atendidas.

Íntegra do comunicado da Prefeitura de Teresópolis:

A Prefeitura Municipal de Teresópolis informa que ainda há foco de incêndio no aterro sanitário do Fischer, mas de menor tamanho e que está produzindo menos fumaça do que a observada na manhã desta segunda-feira, 26.

O Corpo de Bombeiros trabalhou durante todo o dia de ontem no combate ao incêndio, acompanhado das equipes das secretarias municipais de Defesa Civil, Meio Ambiente, Segurança Pública e de Obras e Serviços Públicos.

Continua a construção de um acesso com retroescavadeiras para que as equipes possam acessar o local exato do foco de incêndio e, assim, eliminá-lo definitivamente. Falta pouco para conclusão desse trabalho. Também segue a investigação do incêndio, pois tudo indica tratar-se de um ato criminoso.

Nesta terça-feira, 27, tanto o Corpo de Bombeiros quanto as equipes da Prefeitura estão no local.  As atividades foram paralisadas à noite por segurança, seguindo as recomendações do Corpo de Bombeiros.

Hoje, 14 escolas e 06 creches municipais do entorno estão com as aulas suspensas. A Secretaria Municipal de Educação está avaliando a situação, juntamente com órgãos técnicos, e trará novas diretrizes sobre o andamento das aulas nas outras unidades escolares e no turno da tarde.

Unidades de saúde e transporte público funcionam normalmente.

A Prefeitura segue acompanhando os trabalhos para manter a população informada.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em betano e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Notícias
26 de junho de 2023

Incêndio em lixão de Teresópolis (RJ) cobre cidade com fumaça tóxica

Local, transformado em aterro sanitário em 2009, sofreu com anos de abandono, voltando a funcionar como lixão; despejo de lixo acontece por liminar há 5 anos. Incêndio foi controlado

Colunas
2 de dezembro de 2015

Lobby político adia aterro sanitário de Petrópolis

Empresa pernambucana contratada para o projeto que substituiria o atual lixão pode perder a vez porque não tem padrinho no estado do Rio.

Reportagens
11 de julho de 2014

Rio não conseguirá cumprir as metas do Plano Nacional de Resíduos Sólidos

De acordo com relatório elaborado por comissão da Assembleia Legislativa, apenas 4 municípios elaboraram os planos municipais de resíduos sólidos.

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1

  1. luizpradobrdiz:

    A Lei nº 12.305, 2 de agosto de 2010, estabeleceu que todos os rejeitos do país devem ter uma disposição final ambientalmente adequada em quatro anos. Mas, como todas as leis ambientais da dupla Tracajá de Xapuri foi feita nas coxas, sem estudo de viabilidade e previsão orçamentária. Da mesma forma que a lei da logística reversa, nunca foi cumprida. Uma coisa é a lei; outra é a vontade real de que ela seja aplicada.