Notícias

Justiça mantém últimos moradores em palco de megaprojeto em São Luís (MA)

A decisão pode influenciar processos de desapropriação contra os comunitários na área onde é construído um porto exportador

Aldem Bourscheit·
22 de dezembro de 2023

Por unanimidade, a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Maranhão invalidou um decreto de 2019 que desapropriava as terras dos últimos moradores da comunidade do Cajueiro, na capital São Luís. O local é alvo de um projeto de um megaporto para exportação de commodities.

Emitido no governo Flávio Dino, hoje ministro da Justiça e indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Lula, o decreto havia sido questionado judicialmente, mas acabou validado por um juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da capital maranhense. 

O mesmo magistrado emitiu uma ordem para remover os moradores, com “uso de força policial e arrombamento”, logo após a decisão da 3ª Câmara, mas seu ato foi igualmente derrubado pelo judiciário estadual. Um dos despejados seria o pescador aposentado João Germano, o Joca, de 90 anos.

“O decreto era uma ilegalidade que colocava a corda no pescoço do seu Jorge e de outras famílias, já removidas. Não se encontra no país um decreto semelhante que seja válido”, afirma o advogado Rafael Silva, consultor jurídico da Comissão Pastoral da Terra (CPT) no Maranhão.

Fontes civis avaliam que a decisão da 3ª Câmara pode extinguir processos para desapropriação na comunidade do Cajueiro, alvo de assédio judicial e violência desde 2014. À época, o território de posse coletiva foi comprado por empresas privadas para a construção de um porto, mostrou betano.

Sobre a aquisição pairavam suspeitas e investigações sobre supostos dribles na legislação estadual e federal e por grilagem de terras públicas onde as famílias haviam sido assentadas, revelou a reportagem especial Sitiados pelo progresso.

“A obra não pode iniciar sem solução para o impasse territorial”, diz Horácio Antunes, professor da Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). “O Cajueiro e povoados vizinhos serão muito afetados pela construção e operação do porto”, afirma. 

A empreitada era uma parceria da brasileira WPR – São Luís e da CCCC, sigla em Inglês para Empresa de Construção e Comunicações da China, mas que foi comprada em 2021 pelo Cosan, grupo brasileiro com negócios nas áreas de combustíveis, logística e energia. 

Enquanto isso, as obras do porto para exportação de commodities como minério de ferro estariam paradas. “Não tem nada construído. É só desmatamento e devastação”, descreve o advogado Rafael Silva.

A Cosan não atendeu aos nossos pedidos de entrevista. Uma nota enviada por sua Assessoria de Imprensa comenta que o “processo judicial ainda está em curso e que serão adotadas todas medidas judiciais cabíveis. Importante ressaltar que o projeto segue seu curso normal, respeitando seu cronograma original, com avanços em projetos de engenharia e em iniciativas sociais para a comunidade envolvida”. Também afirmou que adotam “as melhores práticas ambientais, sociais e de governança na realização de seus investimentos como gestora de portfólio”.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
17 de novembro de 2022

O Cerco ao Cajueiro

A construção de um megaporto em São Luis do Maranhão coloca em risco a sobrevivência de comunidades inteiras.

Análises
20 de junho de 2023

A última chance para o Cerrado maranhense

Maranhão foi por três vezes consecutivas o estado que mais desmatou o Cerrado. A atualização do PPCDQ-MA pode ser a última oportunidade para o estado garantir um futuro sustentável para essa região

Reportagens
4 de maio de 2023

Abacaxi judicial deixa pessoas e 17 mil ha de Amazônia desprotegidos no Maranhão

Criação de reserva extrativista é adiada há duas décadas por interesses governistas e privados no comércio de commodities

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.