Notícias

Pesquisadores desenvolvem catálogo com todos os ecossistemas do mundo

A iniciativa, realizada pela IUCN, tem como objetivo permitir a coordenação de esforços globais pela conservação de ecossistemas ameaçados

Duda Menegassi·
15 de março de 2021·3 anos atrás
Ecossistemas de tundra estão entre os ambientes ameaçados pelo aquecimento do planeta. Foto: Hannes Grobe/IUCN

Com a visão de que a conservação da natureza precisa ser um esforço global, mais de 100 pesquisadores de 85 instituições científicas elaboraram um catálogo pioneiro para contemplar todos os ecossistemas do mundo. A Tipologia Global de Ecossistemas foi realizada e publicada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e mapeia os 108 principais tipos de ecossistemas com base em suas funções, características e composição, assim como sua distribuição global e os processos que os sustentam. O objetivo é permitir abordagens mais coordenadas e eficazes de conservação das áreas mais ameaçadas.

A classificação é dividida entre quatro reinos principais – terrestre, marinho, água doce e subterrâneo – e seis de transição, que são produzidos a partir do encontro entre os reinos principais, como por exemplo o encontro entre águas continentais e oceânicas, onde existem ecossistemas estuarinos e de baías. A tipologia abrange até mesmo ecossistemas moldados por humanos, como pastos, plantações, represas e áreas urbanas.

De acordo com a IUCN, esta abordagem sistemática irá ajudar a identificar quais tipos de florestas, recifes e áreas úmidas, por exemplo, são mais críticos para a conservação da biodiversidade e para o fornecimento de serviços ecossistêmicos, e quais estão em maior risco de colapso.

“Muitos dos ecossistemas do mundo estão sob risco agudo de colapso, com graves consequências para a sobrevivência das espécies, diversidade genética, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano. Para sustentá-los, é extremamente importante que a Estrutura de Biodiversidade Global pós-2020 [estabelecida pela Convenção sobre Diversidade Biológica] contenha objetivos ambiciosos e explícitos para a conservação dos ecossistemas ao lado das espécies. Esta primeira tipologia de ecossistema padronizada e espacialmente explícita fornece a infraestrutura necessária para definir e rastrear tais objetivos”, explica Bruno Oberle, diretor geral da IUCN.

Além de permitir a definição e monitoramento de metas globais de conservação, a nova ferramenta também apoiará a Lista Vermelha de Ecossistemas, instrumento da IUCN para avaliar os riscos de colapso enfrentados pelos ecossistemas de todo o mundo, e o Sistema de Contabilidade Econômica-Ambiental (SEEA), iniciativa das Nações Unidas para estimar a contribuição econômica dos serviços ecossistêmicos.

“Este trabalho preenche uma lacuna de conhecimento que estava impedindo nossa capacidade de medir o progresso na gestão sustentável dos ecossistemas mundiais. É um avanço muito oportuno, pois o mundo está desenvolvendo novas iniciativas de política global que serão críticas para um futuro sustentável, incluindo a estrutura pós-2020 para a conservação de ecossistemas e espécies sob a Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica ”, disse Angela Andrade, presidente da Comissão de Gestão de Ecossistemas da IUCN.

Autor principal por trás da tipologia, o professor David Keith, do Centro de Ciências Ecossistêmicas da Universidade de New South Wales (UNSW), na Austrália, aponta que o mapeamento permite ainda agrupar ecossistemas similares e revelar padrões entre eles. “Isso nos permitirá reconhecer semelhanças entre ecossistemas relacionados e aplicar o que aprendemos sobre gestão sustentável de estuários na China, por exemplo, a estuários semelhantes na Nigéria”, conta Keith, que é membro da Comissão de Gerenciamento de Ecossistemas da IUCN. “Compreender os riscos comuns enfrentados por ecossistemas semelhantes, em última análise, ajuda a desenvolver maneiras de protegê-los”, completa.

Além da publicação científica, disponível no site da IUCN, o esforço de pesquisa também produziu uma plataforma interativa que apresenta a tipologia e permite a navegação entre os diferentes ecossistemas catalogados, suas funções e biodiversidade associada.

 

Leia também

Pesquisadores apontam onde e como extremos climáticos afetam os ecossistemas mais biodiversos da Terra

Artigo revela que recifes de corais serão dominados por algas em até 30 anos

Onde avançamos na década dedicada à biodiversidade

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Reportagens
5 de outubro de 2020

Onde avançamos na década dedicada à biodiversidade

Relatório do governo revela que o país não atingiu nenhuma das 20 metas da agenda global da biodiversidade estabelecida pela ONU para o período 2011-2020, mas destacou avanços importantes

Reportagens
8 de outubro de 2020

Artigo revela que recifes de corais serão dominados por algas em até 30 anos

O estudo prevê que o aquecimento do oceano Atlântico causará mudanças comportamentais e migração de peixes recifais, levando à proliferação de algas em corais

Notícias
20 de fevereiro de 2020

Pesquisadores apontam onde e como extremos climáticos afetam os ecossistemas mais biodiversos da Terra

O aumento dos eventos climáticos extremos, combinados com outros distúrbios humanos locais, estão causando impactos negativos sem precedentes às florestas tropicais e recifes de corais

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.