Notícias

PL do licenciamento restringe responsabilidade de bancos pelos danos ambientais gerados por seus financiamentos

Entidades alertam que esse “jabuti” bate de frente com a legislação federal e ampliará danos à conservação e ao clima

Aldem Bourscheit·
14 de dezembro de 2023

Aprovada na Câmara e tramitando no Senado, uma proposta legislativa que enfraquece o licenciamento ambiental também limita a responsabilização de bancos sobre danos ambientais oriundos de seus financiamentos.

Um artigo do projeto de lei 2159/2021 restringe a reparação desses prejuízos só aos casos em que as instituições financeiras não pedirem a licença ambiental do empreendimento ou atividade alvo do aporte de dinheiro.

Na prática, isso pode fazer com que bancos sigam injetando recursos em negócios de baixo desempenho ambiental, prejudicando a conservação da natureza e o equilíbrio climático.

Por isso, a Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa) afirma que esse “jabuti”, tema estranho ao texto sobre licenciamento, bate de frente com a Constituição e legislação federais.

“Não basta observar se requisitos prévios ao licenciamento ambiental foram atendidos, resultando na concessão de uma licença válida. É necessária uma análise mais alargada e prognóstica do projeto”, destaca em nota a entidade.

Difundindo parâmetros para classificar riscos ambientais de investimentos, a ong Associação Soluções Inclusivas Sustentáveis (SIS) pondera que o licenciamento “é uma ínfima parcela da responsabilidade” das empresas.

Após obter a licença, é preciso cumprir as condicionantes previstas e outras normas, como as legislações de crimes ambientais, trabalhista, florestal, de recursos hídricos e das unidades de conservação.

“As instituições bancárias estão claramente financiando atividades que causam danos ambientais com sua omissão ou até conscientemente, e por isso querem fugir à responsabilização”, traz uma análise da entidade civil.

Todavia, a Abrampa diz que responsabilizar bancos tem amparo na Política Nacional do Meio Ambiente, em decisões do Supremo Tribunal Federal, resoluções do Banco Central e no Acordo de Paris sobre clima.

Conforme a Associação, essas diretrizes não só zelam pela proteção do meio ambiente como também proporcionam um “ambiente de negócios mais confiável”, tanto no Brasil quanto internacionalmente.

“O artigo 54 do projeto se encontra na contramão da lógica exarada pelos órgãos reguladores do setor financeiro e bancário no que diz respeito aos deveres das instituições na concessão de crédito”, conclui a Abrampa.

Apesar de ter peso legal e técnico, assegurar uma responsabilização ambiental mínima de instituições financeiras é ameaçado por um forte lobby no Congresso Nacional, denuncia a SIS.

Conforme a organização civil, o setor defende que isentá-lo de arcar com estragos socioambientais de seus financiamentos é indispensável para “desburocratizar a concessão de crédito”.

Isso pode injetar ainda mais recursos em empreendimentos e atividades causadoras de desmatamento – a violação ambiental mais comum no Brasil –, ampliando danos à biodiversidade e a populações humanas.

“As instituições bancárias não consultam a maioria das bases de dados públicas disponíveis com informações ambientais e, mesmo quando consultam, não há evidências de que isso efetivamente gere mitigação dos riscos ou, em casos extremos, negativa de crédito”, afirma a SIS.
O projeto de lei tramita na Comissão de Meio Ambiente do Senado, com relatório favorável de Confúcio Moura (MDB-RO). Depois, segue à Comissão de Agricultura, onde a relatoria deve ser de Tereza Cristina (PP-MS).

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
30 de agosto de 2023

Marco do Licenciamento que tramita no Senado é a pior proposta em 40 anos, dizem especialistas

Aprovar texto como está seria voltar no tempo em que crianças nasciam sem cérebro em Cubatão por falta de controle da poluição local. Nota Técnica tenta minimizar danos

Reportagens
18 de junho de 2021

PL aprovado na Câmara transfere responsabilidade do licenciamento para empreendedor, analisam pesquisadoras

Em conversa com betano, as analistas Joana Chiavari e Luiza Antonaccio, do Climate Policy Initiative, afirmam que proposta inverte a lógica do licenciamento

Salada Verde
17 de junho de 2021

Em carta, SBPC se manifesta contra aprovação da nova Lei Geral do Licenciamento

Para a entidade, a versão do PL 3729/2004, aprovado na Câmara, é incompatível com a Constituição Federal e fere princípios da gestão ambiental nacional

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.