Notícias

Roraima, Mato Grosso e Tocantins respondem por 82% da área queimada no País no 1º semestre

Juntos, estados respondem por 1,5 dos 2,15 milhões de hectares queimados no país entre janeiro e junho, aponta levantamento do MapBiomas

Michael Esquer·
25 de julho de 2023

O Brasil teve 2,15 milhões de hectares queimados entre janeiro e junho deste ano. Dessa área, três estados da Amazônia Legal responderam por mais de 80%. A Amazônia lidera o ranking, respondendo por dois terços da área queimada, seguida pelo Cerrado. Os dados são de levantamento do MapBiomas. 

Segundo a rede colaborativa, a área queimada neste primeiro semestre é 1% menor comparada ao mesmo período do ano passado. Roraima (1 milhão de hectares), Mato Grosso (258 mil hectares) e Tocantins (254 mil hectares) respondem por 82% da área total queimada no período: cerca de 1,5 milhão de hectares. 

Destes, Roraima ainda se destaca, sendo o estado da Amazônia que concentra quase metade da área queimada no país nestes primeiros seis meses do ano. 

A maior parte do que foi queimado ocorreu em áreas de vegetação nativa do país: 84%, aponta o MapBiomas. Dentre os tipos de uso agropecuário, as pastagens se destacaram, representando 8,5% da área queimada.

Índice nos biomas

A Amazônia teve 1,45 milhão de hectares queimados neste primeiro semestre, o que representa um aumento de 14% em relação ao mesmo período do ano passado. O índice equivale a 68% de toda a área queimada no país de janeiro a junho. 

O Cerrado, por sua vez, teve 639 mil hectares queimados, o que simboliza um aumento de 2% em relação ao primeiro semestre de 2022. O bioma é o segundo que mais ardeu em chamas entre janeiro e junho deste ano, representando cerca de 30% de tudo que foi queimado no país nesse período. 

Mata Atlântica e Pantanal, respectivamente, tiveram 10,2 mil hectares e 13 mil hectares queimados entre janeiro e junho — menores números nos últimos 5 anos, segundo o MapBiomas. Com 818 hectares queimados, a Caatinga seguiu a tendência de queda, com a área queimada inferior aos anos anteriores. No Pampa, foram queimados 7 mil hectares neste primeiro semestre.

  • Michael Esquer

    Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
20 de julho de 2023

Mudanças no clima impõem corrida contra o tempo para espécies da floresta amazônica

Estudo mostra que espécies terão que migrar em velocidade acima da média para acompanhar o deslocamento dos nichos climáticos aos quais estão adaptadas

Salada Verde
12 de dezembro de 2019

85% do desmatamento ocorrido em Mato Grosso é ilegal, diz ICV

Mais da metade da derrubada ocorreu em áreas privadas cadastradas no Cadastro Ambiental Rural. Relatório aponta para a fragilidade e diminuição da fiscalização

Notícias
16 de outubro de 2020

Alerta de desmatamento do INPE custa 30 vezes menos do que mesmo serviço da Planet

Além de mais baratos, serviços prestados pelo INPE são mais efetivos do que os oferecidos ao governo brasileiro por empresa privada americana

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.