Reportagens

Longe do caos

Martins de Sá, praia em reserva ecológica de Paraty (RJ), é um pequeno paraíso preservado, protegido pela dificuldade de acesso e por um guardião informal.

Juliana Tinoco·
13 de janeiro de 2006·18 anos atrás

Paraty e toda a sua costa costumam constar no roteiro de quem busca praias para surfe, descanso ou agito noturno, ilhas para mergulho e opções de trilhas. Mas se você está atrás de um paraíso pouco conhecido e de natureza ainda praticamente intocada, restam poucas opções na região. Uma delas é Martins de Sá.

A praia é a mais preservada da Reserva Ecológica da Juatinga, que tem 8 mil hectares e abrange cerca de 12 praias, separadas por morros. Muitas só são alcançadas através das árduas trilhas, em outras chega-se de barco. Algumas são bem pequenas, outras muito povoadas.

Alguns fatores explicam por que o local se mantém a salvo da invasão dos turistas. O primeiro é a dificuldade de acesso. O trajeto começa em Paraty, onde barcos de pescador, no estilo traineira, disputam os grupos que chegam. O preço da viagem varia entre 20 e 30 reais e é preciso aguardar a lotação do barco, o que pode significar um bom tempo de espera debaixo do sol. A viagem dura em média duas horas, e os viajantes desembarcam na praia do Pouso de Cajaíba, local já bem povoado, com bares à beira d’água e música alta.

É lá que começa a trilha que leva a Martins. São mais duas horas de caminhada. Para os mais despreparados, o caminho não é fácil, com direito a uma forte subida a céu aberto. A maior dificuldade geralmente é encarar o desafio carregando mochila, que invariavelmente estará pesada: os viajantes devem levar, além da barraca e do saco de dormir, toda a comida que irão consumir. Na praia, o único mantimento acessível é a água, que desce limpa da montanha por um rio. Luz elétrica não há.

Vale a pensa fazer parte do seleto grupo que resiste à canseira e à rusticidade do lugar. A praia, de areia branca e fofa, tem águas cristalinas e é cercada por morros ainda totalmente tomados de Mata Atlântica. De lá, há trilhas que levam a cachoeiras e a outras praias também desertas, como a Sumaca. Martins de Sá é reduto de surfistas. Suas ondas são altas, o que na maior parte do ano impede o acesso direto por barco.

Sob bons cuidados

Existe, no entanto, outro motivo pelo qual este pequeno paraíso ainda se encontra parcialmente protegido da expansão desenfreada do turismo e das construções da região. A praia tem um administrador informal. É o pescador Manoel dos Remédios, ou seu Maneco, dono na única casa que há ali. Ele oferece serviço de camping e se dedica a manter o lugar limpo. Seja com as próprias mãos, seja orientando os turistas a preserver a praia.

Apesar de residir em área de reserva ecológica, seu Maneco é bem visto pelas autoridades da região. “A área tem muito palmito jussara. De quando em quando, os palmiteiros tentam explorar a região, mas a vigilância de seu Manoel ajuda a afugentá-los”, afirma João Fernandez de Oliveira, chefe local do Instituto Estadual de Florestas (IEF).

Também os viajantes que conhecem o local guardam boas lembranças do simpático guardião. “Dá pra perceber que ele gosta muito da praia e do convívio com os visitantes”, revela o surfista Bruno César de Oliveira, freqüentador assíduo de Martins. “Além disso, conhece bem cada palmo da floresta e da praia. Com algumas folhas faz remédios contra mosquitos e até ‘novalgina natural’”.

Manoel dos Remédios nasceu em Martins de Sá. Seus avós foram escravos em uma fazenda próxima à praia que explorava carvão. Hoje, com a fazenda abandonada e a floresta se recompondo, o pescador diz ter direito à terra que habita. Ninguém sabe ao certo a idade do caiçara. “Acho que é porque nem ele sabe”, brinca Bruno.

O carinho de seu Maneco por Martins de Sá parece contagiar os visitantes. O público da praia é cuidadoso com o ambiente e não costuma deixar rastros. Amantes da natureza dispostos a um certo sacrifício para desfrutá-la, sabem que quase já não existem lugares silenciosos, limpos e imunes ao caos urbano que toma conta do litoral.

  • Juliana Tinoco

    Juliana Tinoco é jornalista multimídia especializada na cobertura de Meio Ambiente, Ciência e Direitos Humanos. Por quinze an...

Leia também

Salada Verde
23 de fevereiro de 2024

Justiça Federal impõe mais de R$ 316 milhões em indenizações por desmatamento ilegal

Infrações ambientais foram identificadas pelo MPF por meio do Amazônia Protege, projeto que utiliza monitoramento por satélite para responsabilizar os atores dos desmatamentos ilegais

Notícias
23 de fevereiro de 2024

MPF no Acre arquiva denúncia da CPI das ONGs contra servidores do ICMBio

Servidores do órgão foram acusados de abusos contra moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre; para procurador, acusações são “genéricas e sem fato concreto”

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos índices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.