Reportagens

Com crise climática, falar de regularização na Amazônia é dever de todos

Dar um destino para terras públicas da floresta tropical diminui a pressão por desmatamento, maior fonte de emissões no Brasil.

Cristiane Prizibisczki·
14 de dezembro de 2023

Com crise climática, falar de regularização na Amazônia é dever de todos

Dar um destino para terras públicas da floresta tropical diminui a pressão por desmatamento, maior fonte de emissões no Brasil.

Por Cristiane Prizibisczki

No dia 30 de novembro, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) lançou um estudo revelando que 2023 é o ano mais quente já registrado na história. Em média, a temperatura do planeta ficou 1,4ºC acima dos níveis pré-industriais, o que substituiu, em muito, o recorde anterior de 2016, de 1,2ºC acima da média pré-industrial. 

O trabalho mostra que o aumento de 1,4ºC já trouxe uma prévia assustadora do que pode significar ultrapassar permanentemente 1,5ºC. O gelo marinho da Antártida atingiu a maior redução já registrada. As geleiras suíças perderam cerca de 10% de seu volume nos últimos dois anos.

Incêndios devastadores foram registrados no Canadá, Havaí e sul da Europa. Enchentes, ciclones e tempestades de areia também compuseram o menu de eventos extremos deste ano.

Parte do que o planeta vivenciou em 2023 está relacionado com fenômenos naturais como o El Niño, que aquece as águas do Pacífico. Mas só ele não explicaria o tamanho do impacto. As alterações humanas no clima da Terra, por meio da emissão de gases de efeito estufa, são o grande problema.

“Os verões com dias de cão não são só latidos, eles já estão nos mordendo. O colapso climático começou”, disse o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, no dia 6 de setembro, o mais quente já registrado na história. 

Brasil mais quente

O Brasil não foi poupado pela força da natureza, irritada com as mudanças que nela fizemos. Os dias do verão de 2023 no país foram marcados por enchentes recorrentes no sul e uma seca extrema no norte do país, como já havia alertado há vários anos o corpo científico da ONU para as Mudanças Climáticas, o IPCC.

Já é dezembro e as consequências da seca no Amazonas, que teve início em setembro, ainda ocupam as notícias. Não é por menos, os rios amazônicos atingiram seu menor nível, o tempo seco espalhou incêndios e pessoas e bichos padeceram.

Em Manaus, a poluição do ar chegou a ficar 10 vezes acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde nos primeiros dias de outubro, intensificando os problemas de saúde na população. Centenas de botos e milhares de peixes, entre outros animais, pereceram nas águas quentes.

A fúria das chamas no Amazonas assustou não só a população e o poder público, mas também pesquisadores. O estado contém as maiores porções de floresta tropica úmida preservada, um bioma que não é propício para a dispersão do fogo.

“Por que o Amazonas passou a ser o estado da vez? O Amazonas sempre foi o estado com as maiores taxas de conservação, é um estado onde a maior parte da floresta é bastante úmida, floresta de várzea. Então a gente tem um problema concentrado ali que é principalmente a especulação imobiliária hoje. Temos um conjunto de fatores, notadamente a grilagem”, disse o presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, no dia 13 de outubro, ao apresentar os dados de queimadas na Amazônia.

Emissões brasileiras

Em nível global, o maior vilão do aquecimento da terra é a queima de combustíveis fósseis. Ela representa cerca de 90% das emissões planetárias, segundo a Agência Internacional de Energia.

No Brasil, no entanto, o maior culpado é a mudança do uso do solo, termo técnico para o desmatamento, que foi responsável por 49% das emissões nacionais. Portanto, não dá para falar em combate às mudanças climáticas no Brasil sem encarar a situação.

Desses 49% do setor de mudanças do uso do solo, 77% vieram da destruição da Amazônia, vulnerável a inúmeras pressões, sendo uma das principais a falta de regularização fundiária.

“Sem sombra de dúvida, o caos fundiário gera uma tempestade perfeita para ocupação irregular de terras. Uma terra que não é de ninguém é de todo mundo”, diz Ane Alencar, diretora do Instituto de Pesquisas da Amazônia. “Falta o governo realmente pegar [o problema] debaixo dos braços, pegar essa terra que lhe pertence e dar uma destinação o quanto antes, para tirá-las do mercado irregular de terras”, complementa a diretora.

Problema de todos 

Desde que chegou ao governo, o presidente Lula e sua equipe vêm implementando uma série de medidas para conter o desmatamento e as queimadas não só na Amazônia, mas em todo o país. Os números alcançados até agora são positivos: queda de 50,5% no desmatamento entre janeiro e novembro de 2023, em comparação com o mesmo período do ano anterior, e queda de cerca de 19,5% no número de focos de calor, no mesmo período.

No dia 13 de setembro, ao anunciar as ações emergenciais humanitárias que estavam sendo implementadas no Amazonas, a ministra Marina Silva admitiu que muitas das medidas, como envio de alimentos às populações afetadas e dragagem de rios, combatiam apenas as consequências do problema.

“Isso é ficar enxugando gelo. A atitude correta é atacar as causas”, disse ela.

Entre as medidas anunciadas para combater as causas das tragédias climáticas no Brasil, e especificamente no Amazonas, estava a destinação de 3 milhões de hectares de florestas públicas para unidades de conservação, terras indígenas e concessões florestais.

É um começo. Mas ainda é pouco. Afinal, a Amazônia Legal possui 143,6 milhões de hectares de áreas públicas ainda sem destino: um prato cheio para grilagem e desmatamento, com seu consequente impacto no clima da terra.

Portanto, falar de regularização fundiária não é responsabilidade somente das populações e governos da Amazônia. É dever de todos, de dentro e de fora da floresta.

*Ilustração da capa: Gabriela Güllich

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
20 de fevereiro de 2024

Novos dados confirmam que destinação do lixo piorou sob Bolsonaro

Gestão recebeu 24,4% de resíduos despejados inadequadamente e entregou percentual de 26,2%; estabelecimentos inadequados saltaram de 72,2% para 77,6% do total

Reportagens
20 de fevereiro de 2024

MP entra na Justiça após três bugios morrerem eletrocutados na Região Metropolitana de Porto Alegre

Em apenas nove dias, três bugios morreram em contato com a rede elétrica. Dezoito estão sob cuidados médicos por tempo indeterminado. MPRS pede custeio do tratamento

Notícias
20 de fevereiro de 2024

Negociação entre governo e servidores ambientais tem avanços, mas segue sem acordo

Equiparação salarial com servidores da Agência Nacional de Águas ainda não foi acatada, mas governo acena com gratificações; nova reunião deve ser em meados de março

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.