Reportagens

Governo do ES quer “conscientizar e integrar” comunidades tradicionais à mineração

GT é presidido pela Seama de Felipe Rigoni, “embaixador capixaba do sal-gema”, e garante voto a todas as empresas vencedoras do leilão da ANM, mas nenhum às comunidades

Fernanda Couzemenco·
22 de novembro de 2023

Em se tratando da mineração de sal-gema, os verbos agora são “conscientizar e integrar” as comunidades tradicionais. É o que afirma o Decreto nº 5546-R, publicado pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), para instituir o “Grupo de Trabalho Interinstitucional para o Desenvolvimento Sustentável do Polo de Sal-gema em Conceição da Barra”, norte do Estado, próximo à divisa com a Bahia.

O GT tem duas finalidades, estabelecidas no seu artigo 2º: “acompanhar os processos administrativo-minerários destinados à exploração mineral e suas decorrências nos órgãos pertinentes, inclusive o de licença ambiental” e “propor ações administrativas destinadas à conscientização do processo de exploração minerária e integração com comunidades tradicionais”.

A lista de componentes do GT, no entanto, deixa explícita as pretensões nada dialógicas da nova ferramenta criada pelo Executivo para avançar com a exploração do sal-gema no norte do Estado. O direito a voto é garantido expressamente às empresas que venceram o leilão da Agência Nacional de Mineração (ANM) em setembro de 2021, conforme consta no parágrafo primeiro desse mesmo artigo: “É admitida a participação de um representante de cada empresa responsável pelas 11 (onze) áreas de exploração do Sal-gema no Grupo de Trabalho, com direito a voto”.

Os outros votos são garantidos às dez instituições públicas que compõem o Grupo – a saber: três do Executivo estadual; duas da Prefeitura Municipal; a ANM; o Conselho Regional de Química; a Ufes e o Ifes; e a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

Em contrapartida, não há nenhuma cadeira e nenhuma participação com voto destinada às entidades representativas dos povos tradicionais afetados pelos projetos de mineração do sal-gema – comunidades quilombolas, pesqueiras, marisqueiras e camponesas – ou a ONGs socioambientais com atuação na região.

Implementar a atividade na região é uma das principais bandeiras do atual gestor da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama), Felipe Rigoni (União Brasil), desde seus tempos como deputado federal. No primeiro ano de seu mandato, em 2019, ele iniciou forte diligência junto à ANM para destravar o leilão de onze poligonais identificadas pela Petromisa, empresa de mineração ligada à Petrobras, hoje extinta. O relatório, publicado em 1991, indicava o enorme potencial econômico das jazidas, consideradas as maiores da América Latina, com reservas totais estimadas em 19,4 bilhões e profundidades entre 1,2 mil e 1,7 mil metros.

Dois mil e dezenove foi o ano em que a ANM, em conjunto com o Instituto de Meio Ambiente de Alagoas (IMA), interditou a atuação da Braskem na capital alagoana, devido ao agravamento do desastre que se alastrava já por cinco bairros, atingindo mais de 60 mil pessoas com o afundamento do solo, tremores e rachaduras em imóveis e ruas da cidade localizados na superfície das minas de exploração de sal-gema.

Desde a paralisação, a Braskem afirma que passou a trazer o sal-gema do Chile para alimentar suas fábricas de soda cáustica e PVC. Em julho passado, a mineradora e a Prefeitura de Maceió anunciaram um acordo de indenização da ordem de R$ 1,7 bilhão, que corre em paralelo às ações de indenização das famílias atingidas.

Marco inicial da pesquisa da Petromisa, colocado nos anos 90. Foto: Lucas S. Costa/ALES/Divulgação

Para o agora secretário de meio ambiente Felipe Rigoni, o Espírito Santo não corre o risco de viver tragédia semelhante, visto que as minas capixabas são mais profundas, as técnicas de extração hoje são mais modernas e a Área de Proteção Ambiental (APA) de Conceição da Barra, criada em 1998 com 7,7 mil hectares, conseguiu impedir um adensamento populacional na região, o que tende a reduzir os impactos sociais da atividade.

Mas para quem vive na região cobiçada, o risco é inaceitável. Pelo menos é o que afirmam categoricamente as mais de 30 comunidades integrantes do Território Quilombola Tradicional do Sapê do Norte, localizado nos municípios de São Mateus e Conceição da Barra.

Com apoio do Ministério Público Federal (MPF), elas conseguiram que a ANM retirasse, da atual fase de pesquisa, as jazidas localizadas no território certificado das comunidades. “Desse lado do rio São Mateus [margem norte] não pode explorar”, afirma Domingos Firmiano dos Santos, o Chapoca, liderança quilombola estadual e nacional, membro da Coordenação Quilombola Estadual Zacimba Gaba, da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Rurais Quilombolas (Conaq) e da Comissão Quilombola do Sapê do Norte.  

Sobre a criação do GT, o entendimento é de que ele não muda a posição de manter a proibição de perfuração nessas jazidas localizadas no território. “A gente não quer exploração de sal-gema aqui”, afirma. Só lamenta que até agora a posição não pode ser comunicada diretamente ao secretário, já que nenhum representante da Secretaria foi até o Sapê do Norte para dialogar e propor a tal “sociedade” no negócio do sal-gema que Felipe Rigoni anunciou em abril neste betano. “Não veio ninguém da Seama aqui falar com a gente até hoje”.

As comunidades também estão na fase final de elaboração de seus protocolos de consulta, nos moldes da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O objetivo é facilitar o cumprimento da tratativa, que vigora no Brasil desde 2007, mas tem sido sistematicamente ignorada pelos gestores públicos e empresas, que continuam a implantar empreendimentos de alto impacto socioambiental em territórios tradicionais, sem qualquer diálogo com as comunidades.

“Não vamos mais permitir que nenhuma empresa se instale no nosso território sem antes fazer a consulta livre, prévia e informada do nosso povo”, afirma Chapoca.

A reportagem de betano entrou em contato com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) para saber como eles se posicionam diante das críticas, mas até o fechamento desta matéria não teve resposta.

Leia também

Reportagens
5 de abril de 2023

Embaixador capixaba do sal-gema quer comunidades quilombolas “sócias” no empreendimento

Maiores da América Latina, jazidas do Espírito Santo estão dentro da Área de Proteção Ambiental de Conceição da Barra e de território quilombola

Notícias
20 de fevereiro de 2024

Novos dados confirmam que destinação do lixo piorou sob Bolsonaro

Gestão recebeu 24,4% de resíduos despejados inadequadamente e entregou percentual de 26,2%; estabelecimentos inadequados saltaram de 72,2% para 77,6% do total

Reportagens
20 de fevereiro de 2024

MP entra na Justiça após três bugios morrerem eletrocutados na Região Metropolitana de Porto Alegre

Em apenas nove dias, três bugios morreram em contato com a rede elétrica. Dezoito estão sob cuidados médicos por tempo indeterminado. MPRS pede custeio do tratamento

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.