Reportagens

Na contramão do Acordo de Paris, Brasil tem maior alta na emissão de gases em quase 20 anos

Quinto maior emissor mundial, Brasil emitiu 12,2% a mais de gases de efeito estufa em 2021 do que ano anterior. Desmatamento foi responsável por metade das emissões

Cristiane Prizibisczki·
1 de novembro de 2022·1 anos atrás

A poucos dias da Conferência da ONU sobre o Clima, o Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima (SEEG) divulgou um número nada animador para a imagem do país no cenário internacional: as emissões brasileiras em 2021 tiveram sua maior alta em 19 anos.

No ano passado, o país emitiu 2,42 bilhões de toneladas brutas de CO2 equivalente. Em 2020, o número registrado havia sido 2,16 bilhões, o que representa um aumento de 12,2% quando comparados os dois períodos. 

Segundo o SEEG, alta maior só foi verificada em 2003, ano em que o Brasil atingiu seu recorde histórico de lançamento de gases estufa na atmosfera. Naquele ano, a alta foi de 20%, puxada pela explosão do desmatamento na Amazônia.

Este também é o quarto ano seguido que o Brasil registra alta nas emissões. O quadro coloca o país como o quinto maior emissor mundial, com 4% do total, atrás de China (23,7% do total), Estados Unidos (12,9%), Índia (6,5%) e Rússia (4,2%).

Os números, apresentados na manhã desta terça-feira (01), mostram que o Brasil contraria o Acordo de Paris, do qual o país é signatário. O acordo é um compromisso internacional que prevê a redução gradual das emissões mundiais, a fim de limitar o aquecimento global a 2ºC. Atualmente, o planeta já está 1,1ºC mais quente em média, quando comparado com níveis pré-industriais.

“Neste momento, temos um governo que se revelou uma bomba climática, uma verdadeira máquina de gerar aquecimento global e de jogar carbono para a atmosfera, para o planeta. Nós temos um governo que negou a agenda do clima e que fez tudo o que podia para destruir a governança ambiental de nosso país, especialmente na Amazônia, que é nosso maior foco de emissões”, disse Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, durante lançamento dos dados.

Vilões do clima

De acordo com o levantamento divulgado nesta terça-feira, quase todos os setores da economia tiveram forte alta em suas emissões em 2021: 3,8% na agropecuária, setor que costuma ter flutuações pequenas nos gases de efeito estufa, 8,2% no setor da indústria e 12,2% no setor de energia, a maior alta desde o “milagre econômico” da ditadura militar, em 1973.

Mas quem realmente puxou as emissões totais do país para cima foi o desmatamento, diz o SEEG. Impulsionadas pelo terceiro ano seguido de crescimento da área desmatada na Amazônia e demais biomas no governo de Jair Bolsonaro, as emissões por mudança de uso da terra e florestas tiveram uma alta de 18,5% entre 2020 e 2021. 

A destruição dos biomas brasileiros foi responsável pelo lançamento de 1,19 bilhão de toneladas brutas de gases estufa na atmosfera no ano passado, contra 1 bilhão em 2020. O número é maior do que as emissões nacionais do Japão.

O setor de resíduos foi o único com emissões estáveis de 2020 para 2021.

Ranking de emissores

Considerando todas as emissões brasileiras, as mudanças de uso da terra abocanharam 49% do total. Somente o desmatamento na Amazônia, diz o SEEG, respondeu por 77% das emissões deste setor em 2021.

“A taxa de desmatamento em 2021 na Amazônia Legal foi de 13.038 km, a maior desde 2006 […] Isso demonstra que o aumento das emissões atualmente está refletindo esse retrocesso nos padrões de desmatamento”, comenta Bárbara Zimbres, pesquisadora do Instituto de Pesquisas da Amazônia (IPAM).

Mas o bioma não está sozinho: o desmatamento na Mata Atlântica em 2021 fez as emissões nesta formação florestal crescerem 65%;  e, no Cerrado, 4%. 

O segundo setor que mais emitiu em 2021 foi a agropecuária, com 25% do total do país. Segundo o levantamento, este setor lançou ao ar 601 milhões de toneladas de CO2 bruto equivalente no ano passado, contra 579 em 2020. A alta, segundo o SEEG, se deve principalmente à pecuária, em especial o metano emitido pela fermentação entérica do rebanho bovino – o chamado “arroto do boi”–, responsável por 79,4% do setor.

O SEEG também destaca o expressivo aumento do número de cabeças de gado em 2021 como motivação para esse crescimento. No ano passado, o rebanho bovino no país cresceu seis vezes mais que a média dos últimos 18 anos.

Na agricultura, os principais responsáveis pelas emissões foram o consumo de fertilizantes e o volume de calcário nas lavouras.

“O mais preocupante é que, mesmo com os compromissos assumidos pelo país em sua NDC [a meta no Acordo de Paris], no Compromisso Global do Metano e no Plano ABC, que tem mais de dez anos, em 2021, tivemos o recorde de emissões para a pecuária e a agricultura do Brasil”, salienta Renata Potenza, coordenadora de Clima e Cadeias Agropecuárias do Imaflora. “Considerando as metas de redução de emissões assumidas na NDC do país para 2025 e 2030, o patamar atual torna o alcance dessas metas cada vez mais distante.”

O setor de Energia ficou na terceira posição do ranking de maiores emissores, com 18% do total emitido em 2021. No ano passado, o setor lançou na atmosfera 435 milhões de toneladas de CO2 equivalente, contra 387 milhões em 2020. Esta foi a maior alta em 50 anos, dizem os pesquisadores do SEEG.

“Proporcionalmente, as emissões explodiram pelo fato de o consumo ter caído em 2020 por causa da Covid. No ano passado, o consumo energético voltou a patamares de 2014”, explica Felipe Barcellos, analista de projetos do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), organização responsável pelos cálculos de energia e processos industriais do SEEG.

Outros dois fatores explicam a alta no setor de energia, diz Barcellos: a crise hídrica de 2021, que secou hidrelétricas e forçou o acionamento de termoelétricas, e a queda na safra de cana no Sudeste, que levou a uma alta do preço do etanol, reduzindo, consequentemente, a participação do biocombustível no transporte.

Os processos industriais e o setor de resíduos empatam na quarta posição do ranking de emissões, com 4% do total emitido no país em 2021, cada.

Segundo Tasso Azevedo, coordenador do SEEG, o balanço de dez anos do Sistema mostra que o Brasil teve uma década perdida para controlar sua poluição climática. “Desde a regulamentação da Política Nacional sobre Mudança do Clima, em 2010, nós estamos patinando. Não apenas não conseguimos reduzir nossas emissões de maneira consistente, como as aumentamos nos últimos anos, e de forma expressiva”, ressalta.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2022

Maior problema climático na Amazônia é o ponto de não-retorno, diz pesquisador

Problema do tipping point não é apenas o desmatamento, é principalmente a mudança climática, que vai corroendo a resiliência da floresta, afirma David Lapola, autor do 6º Relatório do IPCC

Notícias
14 de julho de 2021

Jabuti das termelétricas na MP da Eletrobras aumentará em 32% emissões do setor

Nota técnica aponta que estímulo às termelétricas prevista na MP transformada em lei representará um aumento de 32,7% nas emissões de todo setor elétrico no Brasil, em relação a 2019

Notícias
4 de março de 2021

Desmatamento põe municípios da Amazônia na liderança de emissão de gases de efeito estufa

Mapeamento inédito das emissões de gás carbônico por município no país revela que, impulsionado por desmatamento e agropecuária, municípios amazônicos lideram o ranking

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.