Reportagens

Sem freio, crise do clima pode extinguir anfíbios globalmente

Além de suas funções ecológicas, esses animais auxiliam a medicina, a controlar pragas e até indicam perigos ambientais

Aldem Bourscheit·
6 de outubro de 2023

Desmate e doenças posicionaram sapos, salamandras e cecílias entre os animais mais ameaçados do globo. Mas, tais perigos ganharam um reforço. Um artigo publicado na revista Nature afirma que a crise climática pode exterminar grande parte das espécies de anfíbios nas próximas décadas.

Especialista ligada à União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) e uma das principais autoras do estudo, Jennifer Luedtke Swandby detalha que esses animais viram “reféns do clima” à medida que a humanidade altera seus habitats e as temperaturas médias globais.

“Os anfíbios são incapazes de se deslocar muito longe para escapar do aumento da frequência e da intensidade do calor extremo, dos incêndios florestais, da seca e dos furacões acarretados pelas alterações climáticas”, explica Swandby, gestora para Parcerias de Espécies da ong Re:wild.

Oartigo atualiza a primeira avaliação mundial sobre a situação dos anfíbios, de 2004, e aponta que 41% das espécies avaliadas enfrentam riscos de extinção, de diferentes níveis. É o maior índice quando comparado aos mamíferos (26,5%), répteis (21,4%) e aves (12,9%).

A publicação mostra que em dezoito anos, de 2004 a 2022, ameaças críticas aproximaram mais de 300 tipos de anfíbios da extinção. No período, a crise do clima foi o maior perigo para 117 (39%) dessas espécies. Novos estudos podem aumentar essa taxa de risco.

O trabalho recente descobriu que a destruição ambiental e as alterações climáticas podem desaparecer com três em cada cinco espécies de salamandras. Isso as torna o grupo de anfíbios mais ameaçado do mundo. Suas maiores populações estão na América do Norte.

A distribuição de espécies de anfíbios globalmente ameaçadas. Cores mais escuras correspondem a uma maior riqueza de espécies. Imagem: Ongoing declines for the world’s amphibians in the face of emerging threats (Nature, October 2023)

A publicação lista quatro espécies declaradas extintas, desde 2004: o sapo-arlequim (Atelopus chiriquiensis), da Costa Rica, a rã-de-focinho-afiado (Taudactylus acutirostris), da Austrália, a rã Craugastor myllomyllon e a salamandra-de-riacho (Pseudoeurycea exspectata), ambas da Guatemala. 

A situação também piorou para 27 espécies que, antes, eram criticamente ameaçadas e, agora, estão possivelmente extintas. Isso elevou para mais de 160 os anfíbios criticamente ameaçados que são considerados provavelmente banidos do planeta. 

“Os riscos são extraordinariamente elevados. Se alguma vez houve um momento para agir para salvar os anfíbios e os seus habitats, esse momento é agora”, destaca Ariadne Angulo, coautora do artigo e copresidente de um time de especialistas em anfíbios da UICN. 

Barramento de riscos

A destruição e degradação de ambientes naturais pela agropecuária, obras e industrialização afetam 93% de todas as espécies de anfíbios ameaçadas. Além disso, doenças causadas pelo fungo quitrídio dizimaram populações de anfíbios em vários continentes.

“O fungo ainda não foi detectado nos Estados Unidos, mas como pessoas e outros animais podem introduzi-lo em novos locais, pode ser apenas uma questão de tempo até vermos a segunda pandemia da doença nos anfíbios”, avalia Dede Olson, pesquisador do Serviço Florestal dos Estados Unidos. 

Nesse sentido, o estudo recente da Nature pode dar maior qualidade a planos e ações de conservação de anfíbios, ajudar a buscar mais recursos financeiros para protegê-los e até influenciar políticas públicas para reverter sua tendência de extinção.

“O estudo mostra que não podemos continuar subestimando esta ameaça. Proteger e restaurar [ambientes naturais] é fundamental, não só para salvaguardar a biodiversidade, mas também para combater as alterações climáticas”, ressalta Jennifer Swandby, da Re:wild.

Mestre em Ciências da Vida Selvagem e da Pesca e co-autora do estudo da Nature, Kelsey Neam reforça que proteger os anfíbios ajuda a enfrentar a crise do clima, pois eles mantêm a saúde de ambientes que armazenam Carbono, um dos gases que ampliam o efeito estufa. 

“Os anfíbios estão desaparecendo mais rapidamente do que podemos estudá-los, mas a lista de razões para protegê-los é longa, incluindo seu papel na medicina, no controle de pragas, alertando-nos para as condições ambientais e tornando o planeta mais bonito”, disse a pesquisadora.

Testes científicos vêm usando girinos e anfíbios adultos para indicar a qualidade da água de rios em estados como Minas Gerais e Rondônia. Eles são excelentes indicadores ambientais, pois são muito sensíveis à qualidade da água e do ar.

A bela salamandra-de-fogo é encontrada em Israel. Foto: Robin Moore / Re:wild

Proteger espécies de anfíbios depende de tarefas como estabelecer e manter amplas redes de parques nacionais e de outras unidades de conservação de proteção integral, todas conectadas por corredores de vegetação nativa através de propriedades públicas e privadas.

A tarefa de casa vale também para o Brasil, cujas cerca de 1.200 espécies de anfíbios o tornam o país com maior diversidade mundial desses animais. Mas de 2004 para cá, saltaram de 37 para 189 as espécies de sapos e seus parentes com algum grau de ameaça no país. 

O cenário pode ser ainda pior, pois 26 delas foram classificadas como possivelmente extintas. Afinal, não foram mais avistadas em ambientes naturais ao menos desde a década de 1980. 

“Num país onde as alterações ambientais pioram a situação das espécies, é importante ampliar políticas e ações de preservação e mitigar efeitos das mudanças climáticas”, diz Iberê Farina Machado, presidente da ong Instituto Boitatá e coautor do artigo editado esta semana na Nature.

Provas de que esses trabalhos funcionam são a recuperação de certas populações de anfíbios. Desde 1980, melhorou o status de conservação de 120 espécies no mundo. Dessas, 63 espécies foram alvo  direto de ações de conservação, como melhorar a proteção e a gestão dos ambientes onde vivem.

No Brasil, ao menos 9 espécies tiveram melhoras em sua conservação, como a perereca-de-Alcatrazes (Ololygon alcatraz) e a rã-das-pedras-de-Alcatrazes (Cycloramphus faustoi). Ambas vivem na Ilha de Alcatrazes, no litoral do estado de São Paulo. 

“Conservar os anfíbios já é uma necessidade imperativa. Focar em áreas que tradicionalmente recebem atenção conservacionista não é mais suficiente, o esforço deve ser global”, arremata Amaël Borzée, coautor do artigo e professor na Universidade Florestal de Nanjing (China).

Com informações da UICN, Instituto Boitatá e Re:wild.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Registro inédito mostra que a perereca Xenohyla truncata pode ser um agente polinizador nas restingas em que vive. Foto: Carlos Henrique Nogueira
Reportagens
27 de abril de 2023

Destruição das restingas ameaça perereca com potencial polinizador

Enquanto a ciência busca responder se uma perereca exclusiva das restingas do Rio de Janeiro pode ser o primeiro anfíbio polinizador do mundo, a espécie vê seu habitat cada vez menor

Notícias
15 de fevereiro de 2023

Sapinho descoberto nas bromélias da Serra da Mantiqueira homenageia folclore brasileiro

Pesquisadores batizaram o recém-descrito sapinho com o nome da Cuca. Espécie ocorre apenas numa pequena área da Serra Negra da Mantiqueira

Reportagens
11 de janeiro de 2023

Mata Atlântica concentra perdas globais de anfíbios

Um fungo asiático secular e a crise climática estão entre as causas do declínio de animais que ajudam a equilibrar ecossistemas e controlar transmissores de doenças

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.