Salada Verde

Sem arpão, Curumim tem cirurgia descartada

Lança do olho do boto-cor-de-rosa saiu naturalmente após dias de movimentação. Cetáceo ainda permanece sob observação no interior do Amazonas, informou ICMBio

Michael Esquer·
31 de maio de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A aguardada cirurgia que iria remover o arpão de Curumim, boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis) mais antigo do “Flutuante dos Botos” – projeto que desempenha o turismo de interação com os cetáceos no Parque Nacional (Parna) de Anavilhanas, em Novo Airão (AM) –, foi descartada. Isso porque a lança que ficou alojada no olho do animal, possivelmente vítima da caça ilegal, se soltou de seu corpo. 

“A equipe que está cuidando do boto Curumim constatou que o arpão saiu naturalmente durante a sua movimentação”, disse o ICMBio em nota encaminhada à reportagem na tarde desta terça-feira (30). “Felizmente o ocorrido gerou alívio e descartou o procedimento cirúrgico que seria realizado”. 

Como mostrou betano, o boto foi visto ferido no Parna de Anavilhanas no dia 18. Ou seja, até esta terça, quando houve o desprendimento do arpão, já haviam se passado 12 dias. A primeira tentativa de resgate do cetáceo foi realizada pelo ICMBio no dia 20, na comunidade Santo Antônio – para onde o animal se dirigiu e tinha permanecido, pelo menos até esta terça –, que fica distante 40 km do Parna. Entretanto, a operação não teve êxito. 

A nova tentativa, que contaria com uma equipe maior do ICMBio e mais estruturada para esse tipo de situação, ainda não tinha sido realizada, mas estava prevista para acontecer nos próximos dias. Isso segundo tinha dito o ICMBio à reportagem na segunda-feira (29). 

Em vídeo publicado nas redes sociais, Marisa Granjeiro disse que a queda do arpão já era um processo esperado, mas demorado. “Por isso que ele estava no medicamento”, disse a técnica ambiental credenciada pelo ICMBio, que atua no Flutuante dos Botos, no Parna. Para monitorar a saúde de Curumim, ela ficou na comunidade Santo Antônio, onde vinha sendo hospedada por ribeirinhos. 

“Uma operação é complicada e tem seus riscos”, disse Marisa ao comemorar o descarte da cirurgia. “Ao longo dos dias, nós tivemos altos e baixos. Teve dias que ele estava bem, teve dia que ele não estava tão bem. Mas todos esses dias ele foi bem alimentado, medicado, seguimos todas as orientações dos veterinários”, completou a técnica ambiental. 

Apesar de descartada a cirurgia, Curumim ainda requer atenção. “Nos próximos dias, o mamífero permanecerá em observação para receber medicações e cuidados especializados”, informou o ICMBio ao destacar que, desde que foi comunicado sobre o caso, iniciou força tarefa para tratar da saúde do animal. 

  • Michael Esquer

    Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
30 de maio de 2023

A saga para salvar Curumim, um boto ferido no coração da Amazônia

Com arpão alojado no olho, boto-cor-de-rosa aguarda cirurgia há mais de 10 dias no interior do Amazonas. Cetáceo pode ter sido vítima de caça ilegal

Colunas
29 de abril de 2015

Pesca da piracatinga: o boto-rosa não pode ser isca

Estudo detalha equipamentos e práticas desta atividade no rio Purus e Médio Solimões e confirma que as principais vítimas são botos e jacarés

Notícias
13 de fevereiro de 2017

Construção de hidrelétricas no Tapajós ameaça botos

O possível isolamento de subpopulações dos botos acima e abaixo dessas barragens pode levar a um processo de extinção desses animais, afirma estudo

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.