Vídeos

Quem define o que é energia limpa?

A crise climática já é uma realidade diária e latente na vida de milhares de pessoas. Isso ficou em evidência midiática nas últimas semanas, com calor extremo, enchentes devastadoras e secas severas de Norte a Sul do Brasil.

Bárbara Poerner·
29 de novembro de 2023

A crise climática já é uma realidade diária e latente na vida de milhares de pessoas. Isso ficou em evidência midiática nas últimas semanas, com calor extremo, enchentes devastadoras e secas severas de Norte a Sul do Brasil.


Limitar o aquecimento do planeta a 1,5°C, conforme aponta o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, é urgente para mudar esse cenário, conter o aquecimento global e permitir processos de mitigação e adaptação climática. Para isso, é necessária a transição da matriz energética fóssil, que emite os gases que agravam a crise do clima, para uma matriz renovável e diversa.

No modelo de produção capitalista, tudo vira mercadoria. Ou, ao menos, há uma tendência para tudo virar mercadoria. Por que a energia estaria fora disso? Por que a transição energética estaria fora dessa dinâmica? Nós temos um debate. Quem vai conduzir esse processo? As empresas ou o povo?

Gustavo Freire Barbosa, Advogado, mestre em direito constitucional pela UFRN, Natal (RN)

O processo de transição energética, contudo, não pode ser feito com desrespeito aos direitos humanos, direitos territoriais e direitos da Natureza. 

A realidade tem revelado que, se temos uma matriz energética diferente em um mesmo sistema socioeconômico, as consequências também são devastadoras para grande parte das populações. O termo “energia limpa” vira mais uma apropriação do capitalismo. A discussão sobre matriz energética deve passar, invariavelmente, pela escuta ativa das comunidades atingidas pelos projetos energéticos.

A gente pode gerar energia produzindo alimento, respeitando as comunidades, respeitando a fauna, convivendo com a fauna, agora não com esse modelo. Esse modelo e da forma que ele tem chegado, não funciona.

Moema Hofstaetter, Doutora em Turismo e Desenvolvimento pela UFRN e parceira do Observatório da Energia Eólica / UFC, Natal (RN)

A websérie documental Monocultura da Energia mostra os impactos de empreendimentos energéticos, do Brasil à Argentina, por meio de quatro histórias: a disputa para explorar petróleo na Foz do Amazonas, uma das áreas mais socioambientalmente sensíveis do planeta; o impacto do fracking (método de extração não convencional de gás) argentino e os riscos caso a técnica chegue ao nordeste brasileiro; os ecossistemas e as populações afetadas pelos parques eólicos no Rio Grande do Norte; e, por fim, um episódio final com reflexões sobre o que é energia justa e limpa pela voz de pessoas indígenas, quilombolas, ribeirinhas e pescadoras, que revelam como a agenda de transição energética não pode deixar de ouví-las.

DIREÇÃO
Bárbara Poerner

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
Rodrigo Ferreira

ROTEIRO
Bárbara Poerner

EDIÇÃO
Rodrigo Ferreira

PRODUÇÃO & PRODUÇÃO EXECUTIVA
Bárbara Poerner

DESIGN & ILUSTRAÇÃO
Mariana Baptista

TRADUÇÃO
Moara Zambonin

IMAGENS MAPUCHES
CONFEDERACIÓN MAPUCHE DE NEUQUÉN (XAWVNKO)

IMAGENS DE ARQUIVO
Acervo Greenpeace

APOIO MASTER
International Center For Journalists (ICFJ)

APOIO
3FILM

PARCEIRO DE MÍDIA
betano

AGRADECIMENTOS
350.org; AMAVIDA; AMIN; Clima de Eleição; Coletivo Cirandas; Confederação Mapuche de Neuquén; Iepé; Indomnia Films; Instituto ClimaInfo; Nordeste Potência; Utopia Negra Amapaense.

  • Bárbara Poerner

    Jornalista e repórter multimídia independente. É fellowship do International Center for Journalists, consultora do Instituto Febre e pesquisadora voluntária na EmpoderaClima.

Leia também

Salada Verde
19 de fevereiro de 2024

Fake news: Vídeo de extração de madeira ilegal no Pará não é recente

Circula nas redes sociais imagem de extração ilegal de madeira no Pará, só que o vídeo é de 2019. Governo Federal e Aos Fatos desmentiram publicação

Reportagens
19 de fevereiro de 2024

Na Amazônia, bloco de Carnaval reúne milhares de foliões no manguezal

“Pretinhos do Mangue”, em Curuçá (PA), exalta a cultura do mangue na festa mais popular da Terra, mas festejo coincide com o defeso do caranguejo-uçá, que deveria ser deixado em paz no período

Colunas
19 de fevereiro de 2024

A “cupinização” do licenciamento ambiental paulista

O sistema ambiental paulista vem criando barreiras ao controle social, instalando um atoleiro que impede decisões pró-sociedade e pró-sustentabilidade

Mais de betano

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.